sábado, 31 de dezembro de 2011

A Nova Medicina Germânica (GNM)

Nova Medicina Germânica (GNM) está baseada nos descobrimentos do Dr. Ryke Geer Hamer, o descobridor das CINCO LEIS BIOLÓGICAS, que explicam as causas, o desenvolvimento, e a cura natural das “enfermidades” com base nos princípios biológicos naturais.

Para a Nova Medicina Germânica, as chamadas “enfermidades”, não são resultado de um mau funcionamento ou malignidade do organismo, mas são consideradas como “PROGRAMAS ESPECIAIS COM SENTIDO BIOLÓGICO” (SBS), monitorando o indivíduo para ajudá-lo durante um período de estresse emocional e psicológico. 

A PRIMEIRA LEI BIOLÓGICA


Todo “Programa especial com Sentido Biológico” (SBS), tem sua origem em uma “Síndrome de Dirk Hamer(DHS), que é um choque inesperado, muito agudo, vivido sozinho, e que ocorre de maneira simultânea entre a psique, o cérebro e o orgão correspondente.

Na terminologia da GNM um “choque de conflito” ou DHS, refere-se a uma situação emocional estressante que não podemos antecipar e para qual não estávamos preparados. O DHS pode ser disparado, por uma separação inesperada, pela perda de um ente querido, uma raiva inesperada, uma preocupação ou por um diagnóstico ou prognóstico inesperado.

Para ajudar o individuo durante este tipo de crise inesperada, forma-se  instantaneamente um Programa especial com Sentido Biológico (SBS), criado para esta situação em particular. Como esses programas de sobrevivência são muito antigos são inerentes a todos os organismos, incluindo os seres humanos, na GNM falamos mais de conflitos biológicos do que conflitos psicológicos.


Nível cerebral: No momento em que ocorre um DHS, o choque do conflito impacta em uma área do cérebro muito específica e pré determinada. Este impacto se torna visível em uma tomografia computadorizada, como um grupo de anéis concêntricos. Na GNM estes focos concêntricos são chamados de focos de Hamer HH (do alemão: Hamerscher Herd). O termo foi originalmente criado por opositores do Dr. Hamer, que zombaram, e chamaram essas estruturas como focos suspeitos de Hamer".


 Antes do Dr. Hamer identificar estas estruturas no cérebro, os radiologistas as consideravam artefatos criados por uma falha nos aparelhos. Porém em 1989, a Siemens, uma fabricante de aparelhos de tomografia computadorizada, certificou que esses anéis em forma de “alvo”, não poderiam ser artefatos porque ainda que a tomografia fosse repetida de diversos ângulos, a mesma configuração sempre aparecia no mesmo lugar.

A SEGUNDA LEI BIOLÓGICA
 







 Normotonia: Corresponde ao ritmo do nosso corpo em estado normal, tanto de dia como de noite, como se mostra na imagem acima, já a "Simpaticotonia" se alterna com a "Vagotonia". Estes termos dizem respeito ao nosso sistema autônomo (SNA), que controla as funções vegetativas como os batimentos cardíacos e a digestão. Durante o dia o corpo está em um estado de simpaticotonia normal (luta ou fuga), durante o sono entramos em um estado de vagotonia ("descanso e digerir").


CA – Conflito Ativo: Quando ocorre um choque de conflito (DHS), o ritmo normal do dia e da noite é interrompido instantaneamente e o organismo entre em uma fase de conflito ativo (fase Ca). Ao mesmo tempo o SBS que se correlaciona com o conflito é ativado, permitindo ao organismo suspender o funcionamento normal diário para poder assistir ao indivíduo durante esta fase de crise particular.

 Distúrbios do sono e falta de apetite são sintomas típicos. Biologicamente falando, isto é vital porque o foco no conflito e as horas extras acordado providenciam as condições para que se avance em direção à resolução do conflito. A fase ativa do conflito é também chamada de “fase fria”. Visto que os vasos sanguíneos estão contraídos durante o estresse, os sintomas típicos da fase ativa do conflito são extremidades frias (mãos frias), calafrios e suores frios. A intensidade de tais sintomas depende, naturalmente, da intensidade do conflito.

PCL – Pós Conflitólise: solução do conflito é o momento decisivo, que inicia a segunda fase do SBS. Como na fase de conflito ativo, a fase de cicatrização é executada de maneira paralela em todos os três níveis (psique, cerebral e orgânico).

A Crise Epileptóide (EPI-CRISE): é iniciada no pico da fase de cicatrização e ocorre simultaneamente em todos os três níveis. Com o início da crise epileptóide em um instante, o indivíduo é levado de volta para o estado ativo do conflito. Ao nível fisiológico e vegetativo, este reativa a fase de simpaticotonia com os sintomas típicos, como nervosismo, suores frios, tremores e náuseas.





Durante a segunda parte da fase de cura, o foco de   Hamer aparece em uma tomografia cerebral com  uma configuração branda em forma de anel.


duração e severidade dos sintomas de cura é determinada pela intensidade e da duração da fase conflito ativo precedente. A reincidência de conflitos constantemente,  interrompem a fase de cura, prolongando o processo de cicatrização.

 



Como a "Medicina oficial" não reconhece o padrão bifásico das "enfermidades", os médicos ao ver um paciente em tensão com um tumor de crescente (fase CA), não percebem que depois virá a fase de cura, ao ver um paciente com febre, “infecção”, inchaço, secreção, dor de cabeça ou outra dor (fase PCL), sem se dar conta que esses sintomas são de cura de um conflito ativo precedente.


A TERCEIRA LEI BIOLÓGICA

A terceira Lei biológica explica a correlação entre o cérebro, psique e o corpo no contexto do desenvolvimento embrionário (ontogenético) e evolutiva (filogenéticos) do corpo humano.


Da embriologia, sabe-se que nos primeiros 17 dias do período embrionário, desenvolvemos três camadas germinativas a partir do qual se originam todos os órgãos e tecidos. As três camadas germinativas são a endoderme (parte amarela), mesoderme (parte laranja) e ectoderme (parte vermelha).


A tabela “O Sistema Ontogenético dos Tumores” mostra que os órgãos, controlados pela parte mais “primitiva” do cérebro, que deriva da endoderme ou mesoderme (pulmões, fígado, cólon, próstata, útero, camada derme da pele, pleura, peritônio, pericárdio, glândulas mamárias, etc.), originam sempre proliferação de células assim que o respectivo conflito ocorre. Tumores nesses órgãos desenvolvem-se exclusivamente na fase ativa do conflito (que é iniciado pelo DHS).



O endoderma é a folha germinal que se formou primeiro durante o curso da evolução. É por isso que a folha germinal que forma os órgãos "mais antigos" durante a primeira e mais inicial do período embrionário.

Conflitos Biológicos: os conflitos biológicos relacionados aos tecidos endodérmicos estão relacionados com a respiração (pulmões), a alimentação (órgãos do canal alimentar), e a  reprodução (próstata e útero).

O mesoderma do cérebro antigo desenvolveu-se após os nossos antigos antepassados para a terra e necessitavam de pele para proteger o organismo do clima e dos ataques. O próximo passo na evolução foi o desenvolvimento de uma estrutura muscular e esquelética.

Todos os órgãos e tecidos derivados do mesoderma do cérebro novo são controlados a partir da SUBSTÂNCIA BRANCA, que é a parte que está abaixo do córtex cerebral, e no interior do cérebro.

Conflitos Biológicos: Os conflitos biológicos associados à mesoderma do cérebro novo estão relacionados principalmente a um "conflito auto-desvalorização." Um "conflito de auto-desvalorização" refere-se a uma perda da auto-estima ou valor de si mesmo.

Quando a profundidade da pele mostrou-se inadequada, desenvolvemos uma nova, que cobre a derme completamente. Esta segunda camada também migrou para a boca e o interior do reto e recobrindo certos órgãos.

Todos os órgãos e tecidos que se originam a partir do ectoderma (a folha germinal mais jovem) são controlados pelo CÓRTEX CEREBRAL, e por tanto se relacionam com conflitos biológicos mais avançados.
Conflitos Biológicos: Os tecidos controlados pelo córtex cerebral relacionam-se com “conflitos sexuais” (rechaço ou frustração), “ conflitos de identidade” (não saber de onde pertence) ou a conflitos territoriais, por exemplo,  conflitos de medo territorial (pânico ou susto dentro do território) são ligados a laringe e brônquios; conflitos de perda de território (medo de perder o território atual) são ligados aos vasos coronarianos; conflitos de raiva territorial são ligados ao revestimento do estômago, ductos biliares e pancreáticos; a inabilidade de marcar o território (ligados a pélvis renal, bexiga, ureter e a uretra). Os “conflitos de separação” relacionam-se com a pele e com os condutos mamários e os “conflitos de audição” (não quero escutar isso) etc.

O Dr. Hamer descobriu igualmente que todas as doenças decorrem em duas fases. Durante a primeira fase, ou fase ativa do conflito, o organismo como um todo está direcionado para lidar com o conflito. Enquanto isso decorre, a nível físico, uma alteração significativa nas células, a psique também tenta lidar com esta situação inesperada. A mente passa para um estado de estresse (simpaticotonia) e passa a preocupar-se totalmente com o conteúdo do conflito.




Nível orgânico: No momento em que os neurônios recebem um DHS, o choque de conflito é comunicado ao órgão correspondente, e é instantaneamente ativado um “Significant Biological Special Program" (SBS), ativado exclusivamente para este conflito. O propósito biológico de cada SBS é melhorar a função do órgão relacionado com o conflito, de forma tal que o individuo esteja em melhores condições para manejá-lo e eventualmente possa resolvê-lo.


psique, o cérebro, e os órgãos correspondem aos três níveis de um organismo unificado que sempre trabalham em sincronismo.

A QUARTA LEI BIOLÓGICA
 

Durante dos 2,5 milhões de anos, os micróbios eram os únicos organismos que habitavam a terra. Eventualmente, os micróbios habitaram o corpo humano que estava em desenvolvimento de maneira gradual. A função biológica dos micróbios era manter os órgãos e tecidos saudáveis. Em todos os momentos, os micróbios, como bactérias e fungos têm sido essencial para nossa sobrevivência.  

Os micróbios tornam-se ativos somente na fase de cura.

A correlação entre os micróbios, capas embrionárias e o cérebro: Micobactérias e fungos somente operam nos tecidos que são originados a partir do endoderma e mesoderma do cérebro antigo, enquanto que as bactérias que não são micobactérias, somente participam da cura de tecidos que derivam do mesoderma do cérebro novo. 

A forma que os micróbios ajudam no processo de cura está em completa concordância com a lógica da evolução.

Como “micro-cirurgiões” naturais, os fungos e as micobactérias removem, por exemplo, tumores de cólon, pulmão, rins, fígado, próstata e das glândulas mamárias ou melanomas que não são necessários. 
Sintomas: Secreção, aumento do volume, inflamação, febre e dor. Este processo de reparação microbiótico de cura natural é erroneamente chamado de “infecção”. 

Mesmo se os vírus existissem, participariam, de maneira linear com a lógica da evolução, na reconstrução dos tecidos ectodérmicos! Baseando-se no papel benéfico dos micróbios, os vírus não seriam a causa das “doenças”, mas, em vez disso, teriam um papel vital no processo de cura dos tecidos controlados pelo córtex cerebral!

Tendo em vista a quarta lei biológica, os micróbios não podem mais ser considerados a causa das “doenças infecciosas”. Com o entendimento que os micróbios não causam doenças, mas tem um papel benéfico na fase de cura, o conceito de um sistema imunológico, visto como um sistema de defesa, contra os “micróbios patogênicos” torna-se sem sentido. 

A QUINTA LEI BIOLÓGICA 

A Quintessência
Toda  enfermidade é parte de um PROGRAMA ESPECIAL BIOLOGICO (SBS) criado para ajudar um organismo (humanos e animais) a resolver um conflito biológico.

“Todas as chamadas enfermidades tem um significado biológico especial. Enquanto considerávamos a mãe natureza como falível e tínhamos a audácia de acreditar que Ela cometia erros constantemente e produzia desagregações (crescimentos cancerosos malignos, sem sentido, degenerativo, etc.) podemos agora ver, enquanto as vendas caem de nossos olhos, que somente eram nossa ignorância e orgulho a única estupidez em nosso universo. Cegos, trouxemos para nós esta medicina sem sentido, sem alma e brutal. Cheios de assombro, podemos agora entender pela primeira vez, que a natureza tem uma ordem (isso já sabíamos) e que cada coisa que acontece na natureza tem um propósito em um âmbito maior, e que os eventos que chamamos de enfermidades não são alterações sem sentido que tem que ser reparadas por aprendizes de feiticeiros.  Podemos ver que nada carece de significado, nada é maligno nem está enfermo”. Ryke Geerd Hamer

Fonte: CIEPH - Centro Integrado de Estudos e Pesquisas do Homem.
 

Dr. Ryke Geerd Hamer




O Dr. Ryke Geerd Hamer nasceu na cidade de Mettman em 1935 e fez seus estudos superiores em teologia na Universidade de Turbingen, onde conheceu Sigrid Oldenburg, estudante de medicina. Após se casarem, Sigrid o influenciou a estudar medicina também. Depois de formado, ele foi trabalhar num hospital especializado no tratamento de portadores de câncer, onde se aprofundou nessa área, à medida em que a própria especialidade foi surgindo e se desenvolvendo no mundo.

No dia 18 de Agosto de 1978 o Dr. Hamer recebeu a trágica notícia de que seu filho, Dirk Hamer, que estava num iate, em férias no Mediterrâneo, tinha sido atingido por uma bala perdida. Dirk acabou por falecer em Dezembro de 1978. Essa perda foi dramática para o casal Hamer, que mergulhou numa forte depressão. Vários meses mais tarde, ambos desenvolveram câncer, Hamer de testículo e Sigrid de mama. Como nunca tinha ficado seriamente doente, ele imediatamente supôs que o desenvolvimento do câncer pudesse estar diretamente relacionado com a perda trágica do seu filho.

Hamer afirma que, no momento que ele e a esposa surgiram com câncer, teve certeza absoluta que havia uma relação com a morte do filho. A conscientização do trauma como origem do câncer, associada a medidas naturais de equilíbrio, foram o caminho para ambos obterem a cura de suas doenças, sem outro tratamento além do cirúrgico.
A partir daí, o Dr. Hamer iniciou a investigação pelo histórico pessoal dos seus pacientes, onde rapidamente descobriu que, assim como ele, todos já tinham passado por uma experiência excepcional e estressante antes de desenvolver câncer.


Numerosos estudos já demonstravam que o câncer e outras doenças são muitas vezes precedidos por eventos traumáticos. No entanto, o Dr. Hamer levou a sua investigação um passo mais à frente. Partindo da hipótese que todos os eventos que acontecem no nosso corpo são controlados pelo nosso cérebro, ele analisou tomografias dos seus pacientes e as comparou com o histórico médico respectivo. O Dr. Hamer descobriu que todas as doenças – não só o câncer! – são controladas por partes específicas no cérebro e que estão relacionadas com a existência de um “choque conflituoso” muito particular e identificável. O resultado destas pesquisas está transposto num mapa científico que ilustra a co-relação biológica entre mente, cérebro, órgãos e tecidos do inteiro corpo humano (está disponível em inglês sob o nome “Scientific Chart of German New Medicine”).

O Dr. Hamer acabou por chamar as suas descobertas de “As Cinco Leis Biológicas da Nova Medicina”, isto porque essas leis biológicas são aplicáveis a qualquer paciente e oferecem um completamente novo entendimento sobre as causas, o desenvolvimento e o processo natural da cura das doenças. (Tem havido um grande e crescente número de falsas interpretações sobre estas descobertas, por isso, e para preservar a integridade e autenticidade do seu trabalho científico, o Dr. Hamer protegeu legalmente todo o seu material de pesquisa sob o nome German New Medicine®. O termo “New Medicine” não foi aceito internacionalmente).

Em 1981, o Dr. Hamer submeteu como tese pós-doutoral a sua descoberta de "As Cinco Leis Biológicas da Nova Medicina" à Universidade de Tubingen. Apesar das obrigações legais da Universidade e das ordens judiciais em 1986 e 1994, a faculdade de medicina de Tübingen recusou-se a avaliar as descobertas do Dr. Hamer. Em 12 de Março de 2008, o juiz do Tribunal Administrativo de Sigmaringen, na Alemanha, sentenciou que a Universidade de Tubingen não tinha mais obrigação nenhuma de avaliar a tese do Dr.Hamer. - Isto é um caso sem precedentes na história das Universidades!




De igual forma, a medicina convencional não reconhece estas descobertas, apesar de já existirem dezenas de verificações científicas, quer por terapeutas particulares quer por associações profissionais.

Pouco depois de ter submetido a sua tese, o Dr. Hamer recebeu um ultimato: ou renunciava as suas descobertas ou não se renovava o seu contrato na clínica da universidade. Em 1986, apesar de nunca ter sido impedido de continuar o seu trabalho científico, nem ter sido desaprovado, foi-lhe retirada a sua licença médica sob o pretexto de ter recusado os princípios da medicina convencional. Ainda assim, estava determinado a continuar o seu trabalho. Em 1987 ele já tinha conseguido expandir as suas descobertas a todas as doenças conhecidas pela medicina.

O Dr. Hamer tem sido perseguido e assediado por mais de 25 anos, particularmente pelas autoridades alemãs e francesas. Desde 1997 o Dr. Hamer tem vivido exilado em Espanha onde continua com as suas pesquisas e continua a batalhar pelo reconhecimento oficial da sua “Nova Medicina”. Mas enquanto a Universidade de Tubingen mantiver as suas táticas em atrasar o processo, pacientes de todo o mundo não têm tido oportunidade de ser beneficiados por estas descobertas revolucionárias.

As diversas tentativas do Dr. Hamer para abrir uma clínica, na qual os pacientes seriam tratados de acordo com esta nova medicina alemã, foram todas interceptadas pelas autoridades. Em 1985, Dr. Hamer teve que fechar a sua Clínica do Cancer em Katzenelbogen (Alemanha), uma vez que a Nova Medicina não foi reconhecida oficialmente.









Figura: "Com lágrimas nos olhos, o Dr. Hamer leva ao colo Bettina R., de 18 anos para fora da clínica. O seu pai comentou: "Hamer era a nossa última esperança".



CURIOSIDADES:

Se um paciente nunca foi submetido a qualquer tratamento convencional (especialmente quimioterapia ou radioterapia), a GNM tem uma taxa de sucesso entre 95% e 98%. Ironicamente, estas estatísticas foram fornecidas pelas próprias autoridades que tentavam incriminar o Dr. Hamer.

Quando o Dr. Hamer foi preso em 1997, por ter dado conselhos médicos a pessoas sem ter licença para isso, a polícia confiscou as fichas de dados dos seus pacientes para análise. Depois disso, um promotor público foi forçado a admitir durante o julgamento que, passados cinco anos, 6.000 dos 6.500 pacientes, a maioria com câncer “terminal”, ainda estavam vivos.

Com tratamentos convencionais os números são exatamente opostos. O epidemiologista e bio-estatístico Dr. Ulrich Abel (Alemanha) disse que “O sucesso da quimioterapia é terrível… não existem provas científicas de que tal tratamento possa de alguma forma melhorar ou prolongar a vida dos pacientes que têm o mais comum câncer orgânico… A quimioterapia aplicada aos cânceres que não se podem ser removidos cirurgicamente (80% dos casos), é um deserto científico” (Lancet, 1991).